quinta-feira, 26 de junho de 2014

"Não te esqueças de quem és"

Vista nocturna desde as Portas do Sol (miradouro de St. Luzia)
Não me esqueço de quem sou mesmo que por vezes me distraía dessa e nessa certeza porque a vida não vem com livro de instruções - e se viesse seria mais fácil?

Embora tenha já muitas dúvidas de donde sou porque tenho muitas bandeiras hasteadas orgulhosamente no meu coração, é impossível esquecer o sítio donde venho. Porque o sítio donde venho ainda me provoca suspiros de paixão...porque o mundo pode estar cheio de lugares ainda mais belos e perfeitos mas nenhum é este sítio cheio de tropeções, tantos altos e baixos e lugares de calma para contemplar ou simplesmente partilhar a beleza do que a vista nos oferece, uma metáfora da própria vida.

Tive o enorme privilégio de crescer numa família que me deu a oportunidade de me deixar ver crescer as minhas próprias asas. Deixaram-me voar. E ainda estou nessa aprendizagem bela e tão dolorosa (não dúvido que hei-de estar até ao ultimo dia da minha vida).
Sei por experiência que práticamente todos os voos só podem ser feitos por nós próprios. Não há substitutos, nem aditivos. E a grande maioria dos voos são, infelizmente, seguidos de aterragens difícéis e dolorosas. 

É, pois, por ser consciente de tudo isso, que não posso evitar sentir que a minha cidade é  a mais bonita de todas, e que o seu encanto me faz doer nesta hora que é, uma vez mais de despedida. Não sei já quantas vezes me despedi de ti Lisboa...e tu sempre estás aqui com essa luz bela e esses traços tão teus que fazem de ti a mais amada por mim.

Assim, como não posso deixar de sentir um enamoramento e uma saudade (saudade, saudade, saudade, saudade) sem fim das pessoas que sempre me recebem de braços abertos de cada vez que volto. E que com o tempo aprenderam a respeitar os meus voos e perceberam que a minha vontade de voar não é sinónimo de arrogância ou sobranceirismo, mas sim de Liberdade. As mesmas pessoas que percebem através dos meus relatos que a Liberdade tem um preço e que exige a maior das responsabilidades ("...Come chocolates, pequena; Come chocolates! Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates..." Álvaro de Campos) 

Quanto mais vezes volto menos dúvidas tenho em relação às pessoas que levo aconchegadas no meu coração de cada vez que parto. São essas gentes que fazem com que este cantinho tenha um sabor especial para mim e é neles que penso quando a saudade aperta. Obrigada por terem estado aí, uma vez mais.

"...nostalgia dos caminhos e aromas, de praças quadradas de cal e campos rasos sem fim, ou simplesmente do relâmpago de um olhar..." Eugénio de Andrade


Manu e Marta estou à espera da nossa foto/ António depois de tantos anos ainda não temos nenhuma juntos.


1 comentário:

Cátia Lopes disse...

Olha que lindas fotos!